Artigo

Como dificuldades cognitivas e psicossocial afetam os resultados de aprendizagem: Um estudo com crianças da escola primária na Síria

Atender às necessidades educativas das crianças é cada vez mais reconhecido como uma parte necessária da resposta humanitária em situações de emergência. Sabe-se que experiências de guerra, deslocamento e trauma afetam o bem-estar psicossocial das crianças. Pouco se conhece acerca da forma como a saúde mental e o bem-estar psicossocial afetam a aprendizagem das crianças em situações de emergência. Neste artigo, examinamos este efeito entre as crianças que vivem a crise na Síria. Os dados que usamos são sobre crianças (N = 7.191) que receberam apoio educativo no noroeste da Síria entre novembro de 2018 e maio de 2019. Usámos os níveis de literacia reportados pelas/os professoras/es para medir o nível de aprendizagem dos estudantes e Perguntas do Grupo Washington para medir as limitações cognitivas ou psicossociais. O tempo médio necessário para subir um nível de literacia foi de 64 dias. Ajustamos modelos ordinais mistos para avaliar as associações entre uma, todas ou múltiplas limitações cognitivas e psicossociais. Ter uma única dificuldade cognitiva ou psicossocial foi associado a um pior progresso na aprendizagem. Crianças com duas ou mais limitações cognitivas ou psicossociais tinham menos probabilidade de progredir que outras crianças sem essas limitações. As conclusões sugerem que o apoio psicossocial e cognitivo às crianças em situações de emergência é necessário, não só para o seu bem-estar mas também para as habilitar a aprender de uma forma efetiva.

DOI: https://doi.org/10.33682/gr0e-hnjz

Informação sobre o Recurso

Publicado

Publicado por

Journal on Education in Emergencies (JEiE)

Criado por

Grace Anyaegbu, Caroline Carney, Holly-Jane Howell, Alaa Zaza, e Abdulkader Alaeddin

Tema(s)

Bem-estar infantil
Níveis de Ensino - Educação Primária
Saúde Mental e Apoio Psicossocial (SMAP)
Investigação e Evidências

Zona geográfica de enfoque

Síria