Educação e Fragilidade

Fragilidade foi um termo comumente usado nos inícios do ano 2000 para descrever contextos afetados por conflitos, crises e/ou má governança. A terminologia de "educação e fragilidade" foi usada para ampliar a discussão sobre educação em situações de emergência (EeE) no sentido de incluir os países e contextos em todas as fases do espetro humanitário-desenvolvimento, face à sensação de que a EeE era entendida como referindo-se principalmente a crises humanitárias

IRC in Colombia
© J. Arredondo, IRC

A educação é uma ferramenta poderosa que, quando bem concebida e implementada, pode ajudar uma sociedade a emergir de um conflito no sentido da construção da paz e da estabilidade. As escolas e salas de aula podem assumir-se como o espaço no qual pessoas de diferentes origens se reúnem e aprendem a viver e trabalhar juntas pacificamente.

No entanto, as dinâmicas em contextos frágeis - má governação, violência, repressão, corrupção, desigualdade e exclusão - podem ter um impacto negativo na qualidade da aprendizagem que as crianças e os e as jovens experienciam na sala de aula e, inclusive reforçar a desigualdade, a divisão, a discriminação e a violência estrutural nas dimensões religiosa, cultural, étnica ou linguística do ser humano.

O potencial da educação para mitigar ou exacerbar o conflito e a fragilidade é o resultado de interfaces diferenciadas entre as políticas, o planeamento e a conceção de programas de educação e as forças motrizes e dinâmicas do conflito e da fragilidade. A compreensão destas condições é fundamental para garantir que a educação, pelo menos, não causa danos e, no seu melhor, contribui para a prevenção de conflitos e para a construção da paz a longo prazo.

 

Principais dados estatísticos

  • Em 2016, a educação em situações de emergência recebeu 2,7% da ajuda humanitária, muito abaixo da meta de 4%. Entretanto, nos últimos cinco anos, os pedidos de financiamento para o setor de educação em situações de emergência aumentaram 21%.

  • 75 milhões de crianças com idades entre os 3 e os 18 anos vivem em países que enfrentam situações de guerra e violência e precisam de apoio educativo.
  • Cada ano de escolarização reduziu o risco de conflito em cerca de 20%.

  • A probabilidade de crianças que se encontram em países frágeis e afetados por conflitos não frequentarem a escola é mais do dobro do que aquela das crianças em países não afetados por conflitos; No caso das e dos adolescentes essa probabilidade é ainda maior, mais de dois terços.

  • Se a taxa de matrícula no ensino secundário for 10 pontos percentuais superior à média, o risco de guerra é reduzido em cerca de 3 pontos percentuais (uma diminuição do risco de 11,5% para 8,6%).

 

Esta coleção foi desenvolvida em parceria com Susy Ndaruhutse, Coordenadora para a Reforma Educativa do Education Development Trust

Policy Document

Capacity Development for Education Systems in Fragile Contexts

Publicado por
Inter-agency Network for Education in Emergencies (INEE)
,
European Training Foundation (ETF), Deutsche Gesellschaft für Technische Zusammenarbeit (GTZ) and Sector Project Education and Conflict Transformation

This paper examines fragility, capacity development and education and the links between these by analysing relevant research and policy literature.

English
Research Publication

State-Building, Peace-Building and Service Delivery in Fragile and Conflict-Affected States

Publicado por
Education Development Trust (formerly CFBT)
Save the Children
,
Practical Action Consulting

This literature review is the first output of a one-year DFID-funded research programme exploring the links between service delivery in education, health, sanitation and water, and wider processes of state-building and peace-building in fragile and conflict-affected states.

English
Report

Situational Analyses on Education and Fragility using the Analytic Framework on Education and Fragility (2009-2011)

Publicado por
Inter-agency Network for Education in Emergencies (INEE)
UNESCO International Institute for Education Planning (UNESCO-IIEP)

Between 2009-2011, the INEE Working Group on Education and Fragility commissioned four country case studies in Afghanistan (conducted by IIEP/UNESCO), Bosnia-Herzegovina (conducted by the University of Ulster), Cambodia, and Liberia (conducted by INEE), with the the intent to provide data needed to better understand the relationship between education and fragility in each context.

English
Research Publication

Private Sector Engagement in Education: Conflict-affected and Fragile Contexts

Publicado por
American Institutes for Research (AIR)
Inter-agency Network for Education in Emergencies (INEE)

The paper addresses three central questions: what are the narratives and practices around private sector engagement in education; how does that relate to conflict-affected and fragile contexts; and what are the critical considerations for the future?

English
Manual/Handbook/Guide

Protecting Education In Countries Affected By Conflict

Publicado por
Education Above All (EAA)
Global Education Cluster
Save the Children

This booklet is one of a series of booklets prepared as part of the Protecting Education in Conflict-Affected Countries Programme, undertaken by Save the Children on behalf of the Global Education Cluster, in partnership with Education Above All, a Qatar-based non-governmental organisation.

English